Síndrome de Down e Deficiência Intelectual

Criança com Síndrome de Down e sua mãe

É uma associação comum, infelizmente. Mas não é verdadeira. Crianças e jovens com síndrome de Down não precisam ter deficiência intelectual. Assim como já é um consenso de que as crianças com Síndrome de Down precisam de estimulação precoce para o desenvolvimento global, no desenvolvimento intelectual acontece a mesma coisa.

Nunca se deve comparar uma criança com a outra e quando isso acontece, frequentemente as crianças com Síndrome de Down passam a ser consideradas defasadas e até mesmo com deficiência intelectual.

Temos exemplos de jovens com Síndrome de Down incríveis, que se formaram em Universidades, que fizeram pós graduação, que fizeram até mesmo Mestrado. Tem uma vida plena, com realização profissional, amigos, independência inclusive financeira, tudo o que tem direito como ser humano.

Ana Carolina Fruit é um exemplo. Quando eu estava começando o programa de Organização Neurológica nos Institutos Véras no Rio, ela estava tendo alta para a vida! Com 9 anos ela tinha dado uma aula sobre dança, com direito a teoria e prática para uma banca e respondendo a perguntas que foram feitas para ela. Daquele momento em diante ela seguiu o caminho de seu coração, se formando em Edução Física e depois fazendo mestrado em dança.

Qual o segredo desta jovem?

Assim como Ana Carolina Fruit, outros jovens com Síndrome de Down foram estimulados. Felizmente hoje já é um consenso que crianças com síndrome de Down devem receber estimulação precoce. Mas muitos se limitam à estimulação física motora e sensorial. Me entendam por favor, apoio e aprecio esta estimulação, graças à Deus temos profissionais maravilhosos que se empenham em fazer.

Mas o fator decisivo para o desenvolvimento de Ana Carolina foi a estimulação intelectual que sua mãe fez com ela, juntamente com o programa motor.

Tendo conhecido o trabalho dos Institutos Véras, a mãe de Ana Carolina recebeu orientações e começou a estimular o desenvolvimento intelectual da própria filha em casa, seguindo as indicações do Programa de Leitura prescrito pelos Institutos Véras. Mais detalhes do programa de Leitura neste link.

Mas que trabalho é este dos Institutos Véras? É uma linda história. Depois do acidente que ocorreu com o filho de Dr. Raimundo Véras, ele fez uma promessa, que se conseguisse salvar a vida do filho, ele iria ajudar outras famílias com os problemas de seus filhos. Assim ele fez, conheceu Glenn Doman no IAHP e conseguiu salvar seu filho usando as terapias que eles aplicavam nas crianças com lesão cerebral lá em Philadelphia. E Dr. Véras cumpriu a promessa. Trouxe para o Brasil a metodologia de lá e começou a orientar as famílias a como estimular o desenvolvimento de suas crianças com lesão cerebral. Esse método de desenvolvimento ficou conhecido como Método Doman.

O que isso tem a ver com a Síndrome de Down?

E o que isso tem a ver com a Síndrome de Down? O contador de Dr. Raimundo Véras, vendo os resultados de sucesso obtidos em crianças com lesão cerebral, verdadeiros “milagres”, pediu que ele o ajudasse com seu filho. Este filho era uma criança com Síndrome de Down. Lembrem-se que nesta época distante, a síndrome de Down era associada a o que chamavam na época de retardamento mental. Mas, seguindo as orientações do Dr. Véras, a esposa do contador começou a estimular a criança e ficaram maravilhados com os resultados. Assim, esta abordagem ficou conhecida como Método Véras. Não vou contar tudo aqui para não roubar de vocês a oportunidade de lerem um livro inspirador, que vocês podem comprar por este link ou clicando na imagem abaixo.

Resultados surpreendentes: Crianças com Síndrome de Down sem deficiência intelectual.

O resultado foi tão surpreendente para todos, que Dr Véras apresentou seus resultados para a equipe do IAHP sendo orientado por Glenn Doman a testar isso com outras 100 crianças com a Síndrome. Quem o acompanhou disse que ele não testou com 100 crianças, dizem que ele testou com 200 crianças com Síndrome de Down, e conseguiram repetir este resultado maravilhoso com a grande maioria delas, cujos pais seguiram à risca o programa de estimulação para a Leitura.

A partir daí, nos Estados Unidos e em outros países que implantaram o programa, estas crianças deixaram de ser conhecidas como crianças com síndrome de Down, e estas crianças que conseguiram desenvolver seus potenciais mesmo tendo uma alteração genética, passaram a ser conhecidas como Crianças Véras!

Quer ver um estudo cientifico da Universidade do Porto que confirma estas afirmações? Resumo nesta postagem: https://neuroganho.com.br/blog/2020/06/05/sindrome-de-down-veras-e-doman/

Que tal começar com sua criança?

Se você tem uma criança com Síndrome de Down e deseja que ela possa ser feliz, desenvolver seus potenciais se tornando uma pessoa apta a colaborar com suas habilidades, te convido a conhecer a plataforma Neuroganho, nossas ferramentas como o programa de estimulação para a Leitura que oferecemos para pais, mães e familiares de crianças e jovens com síndrome de Down, para desenvolverem o potencial de suas crianças.

Vamos lá? O que você está esperando?

Sua criança tem outra deficiência intelectual?

Para minha alegria, estes profissionais maravilhosos do IAHP criaram esta forma de estimulação em casa, feita para que mães e famílias possam estimular o desenvolvimento de sua criança, estimulando o aprendizado da leitura, da matemática e de todo o conhecimento humano, como algumas das ferramentas utilizadas para fazer com que a organização neurológica aconteça.

Os métodos que compartilham esta filosofia são conhecidos como Método Doman, Método Véras, Método Filadélfia dentre outros. Então não espere, experimente com sua criança. Clique no botão acima.

Para meu filho autista, este programa foi maravilhoso, inclusive trouxe a fala aos 6 anos e meio, mas isso é história para um outro post…

Autismo e fala: como ajudei a desenvolver a fala

mulher segurando livro para uma criança que está lendo

Como eu ajudei a desenvolver a fala do meu filho com autismo, através de atividades feitas em casa.

A fala é um processo muito mais complexo e sofisticado do que a simples emissão de um som. A grande maioria dos bebês nasce já emitindo um som ao nascer que evolui para o choro.

Comunicação do bebê

Deste choro inicial, choros diferentes vão se diferenciando, como choro de fome, choro de frio, choro de calor, choro de fralda molhada ou suja, e cada mãe logo começa a perceber a diferença entre estes sons. Quem nunca ouviu uma mãe dizer “Isso é choro de fome!”?

Isso já é desenvolvimento de linguagem do bebê, e sim, ficamos orgulhosas quando isso ocorre! Para o bebê, alcançar este desenvolvimento é a certeza de ser atendido mais rapidamente.

Pelo entendimento da Organização Neurológica, se o bebê é capaz de emitir 2 sons distintos usados em situações diferentes para expressar coisas diferentes, este bebê é capaz de se comunicar e desenvolver esta comunicação, sim!!!

Evoluindo a comunicação com a idade

Com o passar do tempo, o bebê vai aumentando as variações da forma de se expressar, reduzindo o choro e substituindo por novos sons. Enquanto isso vai aumentando com o passar do tempo isso é um ótimo sinal.

Mas cada criança se desenvolve em seu próprio tempo, então, do nosso ponto de vista, se a criança não alcançou a habilidade de se comunicar como crianças de sua idade, é momento de estimular de uma forma mais consistente a criança. Quanto mais cedo isso for feito, maiores as chances de sucesso no desenvolvimento da comunicação da criança.

Hoje, felizmente muitos profissionais já reconhecem a importância da intervenção precoce, e isto cada vez mais se mostra valioso para a criança e a família.

Na época que meu filho era pequeno, isso ainda não era discutido. O que mais eu ouvi foi, “cada criança tem seu tempo, vamos aguardar o tempo dele”. Isso me custou a oportunidade de ajudar a desenvolver a fala na época em que o cérebro tem sua melhor janela de oportunidade para o desenvolvimento. Hoje eu vejo que o quanto ante se começar a estimulação com maior frequência, maior intensidade, e uma duração reduzida, maior e mais rápido acontece o desenvolvimento da fala da criança.

Autismo e a fala de meu filho

Com meu filho foi assim. Ele já estava com 6 anos e meio e já tinha passado por 5 fonoaudiólogos por períodos diferentes, além de uma especialista em quirofonética da antroposofia. Mesmo assim ele não produzia sons que pudessem ser trabalhados para o desenvolvimento da fala segundo estes especialistas.

Então em minhas buscas pela internet, eu conheci os trabalhos de Glenn Doman, devorei os livros em poucas horas: “O que fazer pela criança“, e “Como ensinar seu bebê a ler”. Glenn Doman foi o fundador do IAHP de Philadelphia e seus trabalhos deram origem a diversos métodos de estimulação baseados em suas observações e trabalhos desenvolvidos. Dentre os métodos se destacam o próprio Método Doman, o Método Véras, Método Filadélfia, Método Padovan, dentre outros.

Estimulando consistentemente a fala, o segredo de como eu ajudei a desenvolver a fala do meu filho com autismo

Então, meu filho não falava até os 6 anos e meio. Como eu ajudei o desenvolvimento da fala: Com base nos ensinamentos do livro “Como ensinar seu bebê a ler”, eu fiz algumas dezenas de cartões de palavras, e comecei a apresentar para ele como explicado nesta postagem aqui: https://neuroganho.com.br/blog/2019/01/11/como-ensinar-seu-bebe-a-ler-sobre-o-livro-de-glenn-doman-etapa-1-palavras-simples/

Eram sessões repetidas 3 vezes ao logo do dia, com 5 palavras em cada sessão. Comecei com um conjunto de palavras, depois adicionei outro e mais outro, ficando com 3 conjuntos ou categorias de palavras. Com 2 meses de estimulação feita por mim, em casa, começou a repetir baixinho as palavras que eu estava apresentando para ele. Apresentando palavras, como assim Ana? Eu estava apresentando as palavras em um dos programas para a estimulação da fala: o programa de leitura. Qual o segredo deste resultado? Um programa apresentado de forma consistente ( frequência intensidade e duração adequadas)!

Assim, apresentando palavras com alegria elogiando a cada término de sessão, foi como eu consegui estimular a desenvolver a fala do meu filho com autismo.

Eu não estou sozinha! Mães ajudam a desenvolver a fala

Já vi isso acontecer com muitas mães e posso dizer que acontece com muito maior frequência do que as pessoas podem imaginar. Assim como eu ajudei a desenvolver a fala de meu filho autista, conheci muitas mães que também conseguiram estes resultados com seus filhos com autismo, com síndrome de Down, e até com paralisia cerebral.

Faça como nós! Apresente as palavras para sua criança como se entregasse a ela um presente, sem cobrar. Elogie muito a cada apresentação, pois isso fortalece o prazer em cada sessão de leitura. Fortalece o vínculo entre vocês. A alegria na apresentação do programa é a chave do aprendizado.

O tempo de estimulação para que cada criança comece a produzir o que chamamos de sons significativos varia de criança para criança, depende de suas condições físicas. Se ela toma ou não medicações que interferem no funcionamento do cérebro, depende de sua condição de saúde, inflamação, alergia, intoxicação. Todas as comorbidades podem estar associadas à estas condições e complicando os quadros de autismo.

Apenas gostaria de acrescentar que os períodos em que os ganhos podem ser notados são períodos que geralmente variam em múltiplos de 3 meses, pois estes ciclos de maturação e organização neurológica ocorrem respeitando os princípios da neurogênese que costumam variar de 8 a 12 semanas a cada ciclo.

Mas nunca vi uma mãe que se dedicou por tempo o suficiente se arrepender.

Não!!! O que acontece é justamente o contrário: mães empolgadas e felizes, querendo fazer mais e mais para ajudar a acontecer o que deveria acontecer: o desenvolvimento de sua criança. Sim, assim como eu ajudei a desenvolver a fala do meu filho autista, eu como elas também queria fazer mais por meu filho.

Fala e alfabetização

Também vemos crianças autistas que falam, mas que tem dificuldade de alfabetização pelos métodos tradicionais. Crianças que podem até ter recebido o diagnóstico de deficiência intelectual começarem devagarinho com o programa de leitura e então se tornarem leitores.

Gostaria de comentar aqui que esta leitura vai acontecer de acordo com a oportunidade que a criança teve de ter aceso às palavras. Se ela pode conhecer por volta de 5 palavras, é considerado sucesso se ela ler estas palavras. Se ela teve oportunidade de conhecer 50 palavras, ela deve ser capaz de ler estas palavras após o ciclo de estimulação de cada palavra.

Muitos críticos ao método dizem que a criança não foi alfabetizado porque se ela foi apresentada à palavra espelho então deveria ser capaz de ler espelhamento por exemplo. Isso vai acontecer mais à frente, depois que a criança tiver tido acesso a um maior número de palavras de forma que ela mesma possa ser capaz de fazer estas deduções.

Neste poste aqui eu explico com mais detalhes a fase 1 do programa de leitura: como ensinar palavras simples: https://neuroganho.com.br/blog/2019/01/11/como-ensinar-seu-bebe-a-ler-sobre-o-livro-de-glenn-doman-etapa-1-palavras-simples/

O desenvolvimento da escrita

A escrita é uma função motora que necessita de desenvolvimento de coordenação motora fina, e oportunidades para este desenvolvimento. Então nada de achar que porque uma criança consegue ler algumas palavras, ela vai conseguir escrever-las. Isso é injusto. Antes de conseguir escrever ela precisa desenvolver oposição cortical, ou seja, a capacidade de pegar objetos usando o polegar. Precisa desenvolver o movimento de pinça, o uso de tesoura, e para isso as atividades de tato e jogos com tampinhas, moedas, argolas todos são muito importantes antes de se colocar um lápis nas mãos da criança.

Aquela premissa: “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa” é muito verdadeira neste caso.

Da mesma forma não se deve cobrar de uma criança que está lendo palavras, a capacidade de escrevê-las.

Consegui explicar minha experiência para vocês? Por favor comentem abaixo o que acharam e se tiveram alguma dúvida ou quiserem esclarecimento em algum ponto, solicite nos comentários que terei maio prazer de aprofundar.

Se desejar ajuda com a estimulação de sua criança através do programa de Leitura, conheça a solução da Neuroganho, que criou uma ferramenta para transformar esta estimulação de sua criança em uma experiência lúdica e divertida.