Autismo e fala: como ajudei a desenvolver a fala

mulher segurando livro para uma criança que está lendo

Como eu ajudei a desenvolver a fala do meu filho com autismo, através de atividades feitas em casa.

A fala é um processo muito mais complexo e sofisticado do que a simples emissão de um som. A grande maioria dos bebês nasce já emitindo um som ao nascer que evolui para o choro.

Comunicação do bebê

Deste choro inicial, choros diferentes vão se diferenciando, como choro de fome, choro de frio, choro de calor, choro de fralda molhada ou suja, e cada mãe logo começa a perceber a diferença entre estes sons. Quem nunca ouviu uma mãe dizer "Isso é choro de fome!"?

Isso já é desenvolvimento de linguagem do bebê, e sim, ficamos orgulhosas quando isso ocorre! Para o bebê, alcançar este desenvolvimento é a certeza de ser atendido mais rapidamente.

Pelo entendimento da Organização Neurológica, se o bebê é capaz de emitir 2 sons distintos usados em situações diferentes para expressar coisas diferentes, este bebê é capaz de se comunicar e desenvolver esta comunicação, sim!!!

Evoluindo a comunicação com a idade

Com o passar do tempo, o bebê vai aumentando as variações da forma de se expressar, reduzindo o choro e substituindo por novos sons. Enquanto isso vai aumentando com o passar do tempo isso é um ótimo sinal.

Mas cada criança se desenvolve em seu próprio tempo, então, do nosso ponto de vista, se a criança não alcançou a habilidade de se comunicar como crianças de sua idade, é momento de estimular de uma forma mais consistente a criança. Quanto mais cedo isso for feito, maiores as chances de sucesso no desenvolvimento da comunicação da criança.

Hoje, felizmente muitos profissionais já reconhecem a importância da intervenção precoce, e isto cada vez mais se mostra valioso para a criança e a família.

Na época que meu filho era pequeno, isso ainda não era discutido. O que mais eu ouvi foi, "cada criança tem seu tempo, vamos aguardar o tempo dele". Isso me custou a oportunidade de ajudar a desenvolver a fala na época em que o cérebro tem sua melhor janela de oportunidade para o desenvolvimento. Hoje eu vejo que o quanto ante se começar a estimulação com maior frequência, maior intensidade, e uma duração reduzida, maior e mais rápido acontece o desenvolvimento da fala da criança.

Autismo e a fala de meu filho

Com meu filho foi assim. Ele já estava com 6 anos e meio e já tinha passado por 5 fonoaudiólogos por períodos diferentes, além de uma especialista em quirofonética da antroposofia. Mesmo assim ele não produzia sons que pudessem ser trabalhados para o desenvolvimento da fala segundo estes especialistas.

Então em minhas buscas pela internet, eu conheci os trabalhos de Glenn Doman, devorei os livros em poucas horas: "O que fazer pela criança", e "Como ensinar seu bebê a ler". Glenn Doman foi o fundador do IAHP de Philadelphia e seus trabalhos deram origem a diversos métodos de estimulação baseados em suas observações e trabalhos desenvolvidos. Dentre os métodos se destacam o próprio Método Doman, o Método Véras, Método Filadélfia, Método Padovan, dentre outros.

Estimulando consistentemente a fala, o segredo de como eu ajudei a desenvolver a fala do meu filho com autismo

Então, meu filho não falava até os 6 anos e meio. Como eu ajudei o desenvolvimento da fala: Com base nos ensinamentos do livro "Como ensinar seu bebê a ler", eu fiz algumas dezenas de cartões de palavras, e comecei a apresentar para ele como explicado nesta postagem aqui: https://neuroganho.com.br/blog/2019/01/11/como-ensinar-seu-bebe-a-ler-sobre-o-livro-de-glenn-doman-etapa-1-palavras-simples/

Eram sessões repetidas 3 vezes ao logo do dia, com 5 palavras em cada sessão. Comecei com um conjunto de palavras, depois adicionei outro e mais outro, ficando com 3 conjuntos ou categorias de palavras. Com 2 meses de estimulação feita por mim, em casa, começou a repetir baixinho as palavras que eu estava apresentando para ele. Apresentando palavras, como assim Ana? Eu estava apresentando as palavras em um dos programas para a estimulação da fala: o programa de leitura. Qual o segredo deste resultado? Um programa apresentado de forma consistente ( frequência intensidade e duração adequadas)!

Assim, apresentando palavras com alegria elogiando a cada término de sessão, foi como eu consegui estimular a desenvolver a fala do meu filho com autismo.

Eu não estou sozinha! Mães ajudam a desenvolver a fala

Já vi isso acontecer com muitas mães e posso dizer que acontece com muito maior frequência do que as pessoas podem imaginar. Assim como eu ajudei a desenvolver a fala de meu filho autista, conheci muitas mães que também conseguiram estes resultados com seus filhos com autismo, com síndrome de Down, e até com paralisia cerebral.

Faça como nós! Apresente as palavras para sua criança como se entregasse a ela um presente, sem cobrar. Elogie muito a cada apresentação, pois isso fortalece o prazer em cada sessão de leitura. Fortalece o vínculo entre vocês. A alegria na apresentação do programa é a chave do aprendizado.

O tempo de estimulação para que cada criança comece a produzir o que chamamos de sons significativos varia de criança para criança, depende de suas condições físicas. Se ela toma ou não medicações que interferem no funcionamento do cérebro, depende de sua condição de saúde, inflamação, alergia, intoxicação. Todas as comorbidades podem estar associadas à estas condições e complicando os quadros de autismo.

Apenas gostaria de acrescentar que os períodos em que os ganhos podem ser notados são períodos que geralmente variam em múltiplos de 3 meses, pois estes ciclos de maturação e organização neurológica ocorrem respeitando os princípios da neurogênese que costumam variar de 8 a 12 semanas a cada ciclo.

Mas nunca vi uma mãe que se dedicou por tempo o suficiente se arrepender.

Não!!! O que acontece é justamente o contrário: mães empolgadas e felizes, querendo fazer mais e mais para ajudar a acontecer o que deveria acontecer: o desenvolvimento de sua criança. Sim, assim como eu ajudei a desenvolver a fala do meu filho autista, eu como elas também queria fazer mais por meu filho.

Fala e alfabetização

Também vemos crianças autistas que falam, mas que tem dificuldade de alfabetização pelos métodos tradicionais. Crianças que podem até ter recebido o diagnóstico de deficiência intelectual começarem devagarinho com o programa de leitura e então se tornarem leitores.

Gostaria de comentar aqui que esta leitura vai acontecer de acordo com a oportunidade que a criança teve de ter aceso às palavras. Se ela pode conhecer por volta de 5 palavras, é considerado sucesso se ela ler estas palavras. Se ela teve oportunidade de conhecer 50 palavras, ela deve ser capaz de ler estas palavras após o ciclo de estimulação de cada palavra.

Muitos críticos ao método dizem que a criança não foi alfabetizado porque se ela foi apresentada à palavra espelho então deveria ser capaz de ler espelhamento por exemplo. Isso vai acontecer mais à frente, depois que a criança tiver tido acesso a um maior número de palavras de forma que ela mesma possa ser capaz de fazer estas deduções.

Neste poste aqui eu explico com mais detalhes a fase 1 do programa de leitura: como ensinar palavras simples: https://neuroganho.com.br/blog/2019/01/11/como-ensinar-seu-bebe-a-ler-sobre-o-livro-de-glenn-doman-etapa-1-palavras-simples/

O desenvolvimento da escrita

A escrita é uma função motora que necessita de desenvolvimento de coordenação motora fina, e oportunidades para este desenvolvimento. Então nada de achar que porque uma criança consegue ler algumas palavras, ela vai conseguir escrever-las. Isso é injusto. Antes de conseguir escrever ela precisa desenvolver oposição cortical, ou seja, a capacidade de pegar objetos usando o polegar. Precisa desenvolver o movimento de pinça, o uso de tesoura, e para isso as atividades de tato e jogos com tampinhas, moedas, argolas todos são muito importantes antes de se colocar um lápis nas mãos da criança.

Aquela premissa: "uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa" é muito verdadeira neste caso.

Da mesma forma não se deve cobrar de uma criança que está lendo palavras, a capacidade de escrevê-las.

Consegui explicar minha experiência para vocês? Por favor comentem abaixo o que acharam e se tiveram alguma dúvida ou quiserem esclarecimento em algum ponto, solicite nos comentários que terei maio prazer de aprofundar.

Se desejar ajuda com a estimulação de sua criança através do programa de Leitura, conheça a solução da Neuroganho, que criou uma ferramenta para transformar esta estimulação de sua criança em uma experiência lúdica e divertida.

Epigenética: Passo 1 do Autismo

passo1AutismoV Nesta semana do autismo em 2019, Dra. Tielle Machado nos presenteou com lives falando de seus estudos sobre o Autismo. Nós do Neuroganho somos fãs do trabalho dela e comungamos dos mesmos entendimentos sobre como o Autismo deve ser abordado. Assim, uma vez que o conteúdo foi muito significativo, mas a live não está mais disponível para ser assistida, tomamos a liberdade de compartilhar este breve resumo que fizemos de cada um dos passos: Passos para desvendar o quebra-cabeças não só do autismo, mas também de outras síndromes que tem comprometimentos neurológicos: Passo 1: Genética é importante mas epigenética é mais importante! O que é epigenética? Epigenética é a possibilidade de “ligar” ou “desligar” um gene através de intervenções ambientais: A alimentação, a exposição à poluição, o uso de drogas, a prática de exercícios, dentre outros fatores ambientais podem servir para alterar algumas funções dos genes, deixando "marcas epigenéticas". Exemplo prático: Alguém que não tem diabetes na família, se comer só carboidratos, pode ficar diabético. Da mesma forma, um diabético que fizer a dieta com restrição de carboidratos, cetogenica, lowcarb ou alguma outra pode ter muitos ganhos até baixar sua glicose. Alterações na dieta funcionam em muitos casos de pessoas com autismo e outras síndromes que tem comprometimento neurológico. Cortando alguns alimentos, a melhora é perceptível. Aqui aproveitamos para agregar os conhecimentos dos Institutos Véras, responsáveis no Brasil pela avaliação das crianças e jovens, e prescrição do programa de organização neurológica. Pelo programa de organização neurológica, estas intervenções incluem retirar da alimentação tudo que inflama o cérebro: glutamato, adoçantes artificiais, corantes artificiais, aromatizantes artificiais, conservantes artificiais, etc Aqui também aproveito para agregar outros conhecimentos da medicina ortomolecular / integrativa: substituir panelas de alumínio para quem tem elevação de alumínio,  observar se há ingestão de chumbo, arsênico, formaldeído e todos os outros químicos neurotóxicos. Se possível suspender produtos OGM e com agrotóxicos. Estes pontos são tão importantes que retornam no passo 4: no controle da neuro-inflamação. Aqui faço uma homenagem aos pais, mães e familiares de crianças e jovens com autismo e outros comprometimentos neurológicos. Seu trabalho de detetive para juntar as peças do quebra-cabeças é fundamental para o sucesso do desenvolvimento de sua criança. Nas próximas postagens abordaremos cada um dos passos seguintes para ganho de qualidade de vida das pessoas com autismo e seus familiares. Lembramos que qualquer intervenção  nutricional deve ser acompanhada por profissional habilitado responsável. Esta postagem é apenas informativa e não substitui qualquer tratamento, aconselhamento ou acompanhamento por profissional qualificado. Procure seu profissional de confiança.  

Noites de sono reparador

close up photography of woman sleeping
Foto por bruce mars em Pexels.com
Este costuma ser um desejo de mães e pais de autistas. Só que a realidade é muito diferente. Muitas crianças autistas passam noites em claro, e suas valorosas mães e pais juntos, vigilantes. Os pais tem razão ao desejarem esta noite de sono reparador para todos. Segundo dr. Lair Ribeiro, uma noite de sono reparador seria o mais importante para termos saúde e qualidade de vida. Só que os pobres pais no dia seguinte, após passarem a noite em claro com sua criança,  precisam de trabalhar, tem uma vida cheia de compromissos e seu rendimento fica comprometido por não conseguir dormir. Da mesma forma, a criança tem seu desempenho em terapias, e atividades escolares comprometido, podendo comprometer até mesmo a capacidade de aprendizado e de reter informações, uma vez que é durante o sono que o aprendizado é gravado no cérebro. Antigamente se achava que a inteligência era um dom de nascença, que se herdava dos pais. Na realidade filhos de pais inteligentes são mais inteligentes, mesmo quando o filho é adotado. Assim se descobriu que o ambiente é responsável pelo desenvolvimento da inteligência, conforme o professor Pierluigi Piazzi. Também o autismo dizem ter causa genética, em 25% dos casos, logo, em 75% dos casos, a causa é ambiental, assim, ao melhorarmos o ambiente, melhoramos não só qualidade de vida das crianças como também da família. Então vamos à algumas medida práticas que podem começar desde já a fazer diferença na sua vida e de sua criança: - Luzes: precisam ser apagadas no horário de dormir, até mesmo aquelas de standby. A Melatonina é um hormônio que só é secretado pela pineal na ausência de luz. Ela faz a regulação do relógio biológico, fazendo que tenhamos sono à noite e disposição pela manhã. Usar dispositivos, telinhas ou telões à noite é um dos grandes responsáveis pelas noites mal dormidas. Não adianta ficar com a tv acesa. Suplementar melatonina pode ajudar apenas na fase inicial do sono, mas a criança pode acordar pouco tempo depois. O uso de hipnóticos ou remédios para dormir, reduz a qualidade do sono e as pessoas acabam acordando mais cansadas no dia seguinte, não conseguindo o desejado sono reparador. Soneca à tarde? No máximo 30 minutos, senão vamos ter mais noites em claro, afinal quem dorme durante o dia fica acordado à noite. Alimentação: é uma das grandes chaves para ganho de qualidade de vida em TEA, SD e TDAH. Algumas pessoas que dizem que não há evidências científicas sobre o impacto da retirada do glúten e da caseína em autistas, se baseiam em estudos que foram feitos por 6 ou 8 semanas que não são suficientes para apresentar resultados significativos, além do que a reintrodução do alimento anula completamente os ganhos. Que tal experimentar com acompanhamento de um nutricionista? Os resultados podem surpreender. Existem produtos alimentícios, que são vendidos geralmente em supermercados, manipulados pela indústria alimentícia e que não são alimentos.  Estes produtos que vem em saquinhos, caixas e que contém vários ingredientes, como glutamato, realçadores de sabor, adoçantes, corantes artificiais, aromatizantes artificiais, conservantes artificiais, são venenos para nossos filhos. Corte imediatamente da sua casa, vai ser ótimo para todos. Eles inflamam o cérebro tornando a criança ansiosa, agitada e agressiva. Prefira alimentos de verdade, comprados em sacolões. - Exercícios físicos são fundamentais, caminhe com sua criança em uma praça, parque ou lugar aberto durante o dia. Correr melhor ainda, qualquer coisa que gaste energia antes de escurecer. - Escureceu? Apague todas as luzes, inclusive aquelas de Standby dos aparelhos. Pode colocar no máximo uma musica instrumental, relaxante de fundo, no escuro, bem baixinha, tipo aquelas de meditação ou que estimulem o relaxamento e acalmam. Uma ótima noite de sono reparador para todos. Abaixo bibliografia de referência sobre este assunto. Comprando estes livros pelos links abaixo você ajuda o desenvolvimento da plataforma Neuroganho. Para você e seu filho que já estão tendo boas noites de sono reparador, oferecemos a plataforma Neuroganho para  ensino de leitura e matemática para crianças e jovens típicos e atípicos, leia nosso artigo sobre o método Doman: Como ensinar seu bebê a ler, sobre o livro de Glenn Doman etapa 1: palavras simples Gostou? Curta, comente e compartilhe, ajude-nos a trazer mais qualidade de vida para mães, pais e suas crianças.